23 Fev
Viseu

Região

Reabertura da EN2 em Castro Daire prevista para o verão

por Redação

14 de Fevereiro de 2020, 08:56

Foto Município de Castro Daire

CLIPS ÁUDIO

14 Fev 2020

Jorge Delgado, secretário de Estado das Infraestruturas

14 Fev 2020

d

O presidente da Câmara Municipal de Castro Daire disse que a reabertura da Estrada Nacional (EN) 2, cortada desde dezembro neste concelho, poderá ocorrer no verão, "se não aparecer nenhum entrave”.

“O senhor secretário de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, deu-me uma nota muito positiva ao dizer que a obra tem um caráter urgente e, como tal, não haverá concurso e, tudo a correr bem, com os três a quatro meses de intervenção, a reabertura da EN2 poderá acontecer lá para junho ou julho, se não aparecer nenhum entrave”, afirmou Paulo Almeida.

Segundo o autarca, o secretário de Estado transmitiu que, neste momento, está em curso “o projeto em execução, que estará pronto até ao início do mês de março”.

“Depois é mais ou menos um mês para apresentação de propostas” para a requalificação da estrada que atravessa o município, acrescentou.

A EN2 ficou cortada na sequência de um aluimento de terras entre os quilómetros 138 e 142, entre Mós e Ponte Pedrinha, no concelho de Castro Daire, distrito de Viseu, aquando da depressão Elsa, em 19 de dezembro de 2019, provocando a queda de uma máquina retroescavadora e a morte do seu motorista.

Na quinta-feira (13 de fevereiro), no seguimento de uma visita do secretário de Estado das Infraestruturas ao local, o presidente da Câmara de Castro Daire tornou “a pedir para haver possibilidade de o troço da Autoestrada 24 (A24), que atravessa o concelho, ser gratuito de forma permanente ou mais económica” para os munícipes.

Neste momento, e a pedido da autarquia, o troço entre Castro Daire e Termas do Carvalhal está isento de pagamento, enquanto a EN2 estiver cortada.

“Sobre a isenção permanente, o senhor secretário de Estado não me deu qualquer resposta, nem houve qualquer avanço nesta reunião de hoje, porque já são pedidos antigos, este e o da Estrada Nacional 225 (EN225) que piorou com o mau tempo de dezembro”, referiu.

A EN225, que liga Castro Daire a Arouca, pelo vale do rio Paiva, foi alvo de uma petição pública, organizada pela autarquia, que já levou a que houvesse várias audições com os grupos parlamentares e pela Comissão de Obras Públicas e, “agora, vai ser discutida, no final deste mês, na Assembleia da República”, adiantou Paulo Almeida.

“É uma dificuldade imensa aquela estrada e não houve nenhuma situação dramática na altura do mau tempo em dezembro, mas tivemos uma série de aluimentos e quedas de barreiras que podem, no futuro, causar um impacto negativo, porque, efetivamente, ela carece de uma intervenção urgente”, considerou.

De acordo com o presidente da câmara, havia “um compromisso por parte do senhor secretário de Estado, ainda da anterior legislatura, de que em breve iria haver novidades” sobre a EN225, apesar de, nesta visita, “não ter trazido nenhuma novidade em concreto”.

Secretário de Estado também garante obra na EN2

Ainda sobre a Nacional 2, o secretário de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, que visitou Castro Daire, também garantiu que a estrada será arranjada.

 “Vamos arranjar a Nacional 2. A questão vai ser quanto tempo é que vamos demorar a fazê-lo. Temos uma obra complexa e que requer levantamento geotécnico. Só depois de termos esse projeto, que estará concluído no final do mês e no início de março, é que podemos ter uma ideia mais precisa de quanto tempo vamos precisar para implementar a solução. São sempre trabalhos delicados e têm de ser feitos com a devida calma”, disse.

O governante garante que até a Nacional 2 reabrir, há isenção de portagens na A24. Depois de Castro Daire, Jorge Delgado seguiu para Vouzela onde também está encerrada desde o final do ano passado a Nacional 228, uma via que pelos planos do governo deve voltar a estar transitável, ainda que parcialmente em apenas uma via, em abril. “É uma data provisória, porque não temos a solução ainda definida e isso pode mudar o plano”, disse.

O Secretário de Estado das Infraestruturas não sabe ainda dizer quanto vai custar as intervenções nas duas estradas. Já quanto à requalificação da Estrada Nacional 16 entre Vouzela e as Termas de S. Pedro do Sul, reclamada por autarcas e empresários, Jorge Delgado não se comprometeu.

“Sabemos que as inspirações das câmaras de Vouzela e S. Pedro do Sul são pouco maiores do que está previsto. Estamos em diálogo com eles, para perceber até onde podemos ir. Imagino que a solução que temos possa ser um bocadinho melhorada, mas não chegando à solução que gostariam”, explicou.

Jorge Delgado visitou várias estradas do distrito de Viseu que ficaram danificadas pelo mau tempo que assolou o país no final de 2019.